sábado, abril 30, 2016

CADERNO DE ABRANTES

Com o patrocínio da Câmara Municipal de Abrantes e da Ordem dos Arquitectos (Secção Regional do Sul, Delegação do Centro) foi editado o livro com os desenhos que fiz o ano passado naquela cidade durante a residência de 11 dias. São 60 desenhos reproduzidos integralmente.

No texto de apresentação escrevi: "Quando me convidaram para desenhar esta cidade, Abrantes, cidade onde nunca tinha estado mais que umas horas, pensei: “Será que conhecem os meus desenhos? Que sabem que tipo de desenho faço? Saberão que os meus registos não são completamente fidedignos ao observado?...” Sabiam e a liberdade era total.

Precisamos de tempo para nos identificarmos com uma cidade, para sabermos o que essa cidade tem para nos dar, para percebermos as suas fragilidades, as suas subtilezas, os seus tesouros. E as pessoas que as habitam. E eu tive esse tempo. Tive tempo para calcorrear as ruas, olhar para cima, ver quem estava à janela, entrar no café, observar quem lá estava, sentar-me no jardim e perceber o movimento nas várias horas do dia. E o desenho é o registo por excelência. É o registo que, apesar da sua falta de objectividade, melhor nos consegue transmitir essa realidade. A realidade que o desenhador observou e guardou na memória."

Alguns dos desenhos já os publiquei no blog.


3 comentários:

hfm disse...

Venham mais de qualquer outro lugar, de qualquer outra história.

teresa ruivo disse...

Gosto muito do livro. É como ter o caderno na mão!E tem desenhos fantásticos...

Eduardo Salavisa disse...

Obrigado às duas. É engraçado o caderno transformar-se em livro.